Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Towards Home

A casa-família que se vai construindo.

Towards Home

A casa-família que se vai construindo.

Páscoa

15
Abr09

A Páscoa passou-se cá em casa, este ano. Os meus sogros vieram cá, almoçámos e não houve mais nada de especial.

Para mim, foi um bocadito esquisito. Estou habituada a duas páscoas: uma no domingo, em Trás-os-Montes, na casa dos meus tios, irmãos dos meus pais, e outra na segunda, em casa dos meus sogros.

Este ano, foi um bocado sem-sabor.

A única coisa que eu vi de bom, nesta minha baixa, foi o facto de não ter de deixar a minha casa mais uma vez. Soube bem a sensação de poder ficar sempre na minha cama, no meio das minhas coisas e com o meu marido.

Se bem que, no fundo no fundo, já me apetecia voltar à escola. Pelo menos, voltar à actividade, porque esta mesmice está a dar cabo de mim.

 

Quando corre mal....

08
Abr09

A gravidez é, sem sombra de dúvidas, um estado de graça. Contudo, nem sempre as coisas correm como desejado. Por isso, todas as mães que conseguiram gravidezes saudáveis e sem problemas devem considerar-se muito sortudas.

O pior é quando nos corre mal. Apesar de todas sabermos que, logicamente, a culpa não é nossa, porque não usamos drogas, não fumamos, não fazemos nada de mal. A verdade é que, no fundo, nunca conseguimos ultrapassar o sentimento de que podíamos ter feito mais qualquer coisa. Agora, eu acho que não devia ter estendido roupa no dia do descolamento da placenta. Se bem que eu sei que podia acontecer na mesma.

Quando abortei das 2 vezes, apesar de ser de pouco tempo (6 semanas), eu senti um vazio imenso. Pedi desculpas ao marido, aos bebés que perdi. Pedi-me desculpa a mim própria. Não sei se já me desculpei, mesmo sabendo que não tenho culpa.

Depois, parece que ninguém nos entende e toda a gente diz imensa coisa, do género "Para a próxima corre bem.", "Deixa lá, ainda era pequenino, podes tentar de novo", etc., etc. E eu sei que ninguém diz por mal. Nem eu levo a mal ninguém. As pessoas até estão a tentar consolar-nos sobre uma situação em que realmente não há muito mais que se possa dizer.

Como uma menina que tinha passado por 4 abortos antes de ter o filho me dizia, chega a uma altura em que nós já temos é vergonha de dizer que estamos grávidas de novo, porque pode correr mal, outra vez.

Nos momentos mais difíceis, eu contei com o Projecto Artémis e com a companhia das meninas no Fórum Artemis e nos blogs e acabei por ultrapassar (se é que já ultrapassei), depois de chorar muito e de o tempo passar.

Uma coisa é certa: comecei a lidar com a gravidez de uma maneira muito diferente, sem fazer grandes festas, nem alaridos, com muito mais receios e a dar muito mais valor à vida.

Nada na vida é em vão. Conseguimos sempre aprender qualquer coisa, juntar sempre mais pedrinhas para o nosso castelo.

 

 

Menino ou Menina?

08
Abr09

Tenho evitado pensar muito na miniatura, isto é, tenho evitado sonhar muito alto para não ter uma desilusão ainda maior se alguma coisa correr mal. Mas começa a ser mais forte do que eu.

Eu sempre achei que queria que  o primeiro filho fosse rapaz, mas, não sei porquê, isso agora deixou de ter qualquer importância. Tanto me faz... É um bocado esquisito para mim, porque eu achava que a minha mente estava mesmo decidida quanto a preferências de gánero e, de repente, uma coisa que tinha tanta importância passou a não ter importância nenhuma...

 

Já agora: se for menino, vai ser um Pedro e, se for menina, vai ser uma Madalena.

De baixa

08
Abr09

Continuo de baixa até ver. Ontem lá fui ter com a médica às urgências da maternidade para me passar um atestado. Para já, fico mais um mês em casa. Isto faz com que eu tenha de tomar algumas decisões.  A mais importante - Deixo o quarto em Lisboa? Sempre poupava 250 euros mês, que bem me faziam jeito. Mas e se acontece alguma coisa e eu tenho de voltar? Tenho de procurar outra vez casa?

Tenho pouco tempo para pensar nisto...

12 semanas

06
Abr09

Hoje, a minha miniatura faz 12 semanas e, apesar de todas as contrariedades, continua por  cá. Estou contente por ter atingido esta etapa, mas preferia que estivesse tudo mesmo bem.

As minhas costas já me doem tanto que eu não imagino como estarão se eu tiver de ficar de repouso até aos 9 meses...

Mas hoje estou mais confiante. Vou ouvindo histórias semelhantes que tiveram fins felizes e vai-me fazendo bem.

Só queria mesmo, mesmo poder pensar nas roupinhas, no quarto, nos carrinhos e ovos e alcofas e todos os demais acessórios, necessários ou impingidos, que todos os pré-pais compram. Para já, tenho tentado conter-me para evitar sofrimentos grandes. Mas, no fundo, no fundo, estou confiante. Acho que vai ser desta.

Amanhã, vou às urgências ter com a minha médica para me passar o atestado que tenho de enviar para a escola. Acham que vou ter a sorte de ela me fazer uma ecografia?

É que eu continuo com corrimento e, por vezes, passam-me ideias malucas pela cabeça.

Desafio

06
Abr09

 A Susel lançou-me mais um desafio, para ajudar a passar o tempo. Então, cá vai:

 

Vamos às regras:

- Escrever uma frase, citar um título ou contar uma história sobre seis assuntos nos seguintes segmentos: vida, cinema, literatura, viagem, amor e sexo.


- Convidar seis blogs que você realmente considere femininos e inteligentes; Deixar o link do blog que te convidou;
- Postar as regras para que outros as passem;
- Exibir o selo do Papo Calcinha Vida - Um caminho que se faz passo a passo, tropeçando e caindo mas nos fortalecendo e abrindo horizontes de luz.

 

Vida - A vida só se compreende mediante um retorno ao passado, mas só se vive para diante.  (kierkgaard)

 

Cinema - O cinema não tem fronteiras nem limites. É um fluxo constante de sonho. (Orson Welles)

 

Literatura - A literatura é o vinho da vida, mas não pode ser o seu alimento. (Thomas Carlyle)

 

Viagem - A mudança de costumes é o único meio de que dispomos para nos mantermos vivos e rejuvenescermos. É esse o objectivo da mudança de ares e do lugar da viagem de recreio.  (Thomas Mann)

 

Amor - Enquanto não superarmos a ânsia do amor sem limites, não podemos crescer emocionalmente. (Fernando Pessoa)

 

Sexo - O sexo sem amor é uma experiência vazia. Mas como experiência vazia é uma das melhores. (Woody Allen)

 

E agora as desafiadas são:

Liliana: http://www.caminhoaseguir.blogspot.com/

Isa: http://www.1novaetapa.blogspot.com/

Marita: http://www.quemvemla.blogs.sapo.pt/

Teca: http://nacasadostrinta.blogs.sapo.pt/

Pcris: http://www.sonhodeumaestrela.blogspot.com/

Maria: http://www.anjoestrelinhasemana.blogspot.com/

Um dia sim, outro dia não

03
Abr09

É assim que eu tenho passado o meu tempo.

 Na quarta, quando vim da ecografia, estava muito animada e optimista. As minhas expectativas eram baixas e só o facto de ver o coraçãozito a bater e os 10 mm a mais que a miniatura tinha me fizeram logo achar que tudo estava bem e que ia correr bem. Nem sequer me chateei muito, quando a médica me disse que era possível ter de passar a gravidez toda na cama. A minha miniatura estava bem, por isso, nada mais importava.

Ontem à tarde, voltei a ter pequenas perdas de sangue. Voltou a preocupação e a angústia. Acho que voltei à realidade, porque a verdade é que ainda nada está ganho. A minha gravidez continua a ser de risco e, de um momento para o outro, tudo pode ir por água abaixo.

Depois, a chatice e ter de ficar na cama. Já me doem as costas, o rabo, tudo... Eu gosto a agitação do dia-a-dia. Eu sei que este ano na escola as coisas estavam complicadas e que, provavelmente, o excesso de trabalho, as noites mal-dormidas e as constantes preocupações não devem ter ajudado nada. Mas a verdade é que eu sinto falta do trabalho, de me levantar todos os dias e de resolver os mil e um problemas que os miúdos com que trabalho têm.

Além disso, pensar que é possível  não poder ir às lojas comprar todos os acessórios e mais alguns para o/a bebé. Nunca usar roupa de grávida, a não ser pijamas e nunca andar na rua a mostrar um orgulhoso barrigão não foi, definitivamente, a gravidez com que sonhei.

Só espero mesmo que tudo valha a pena e que em Outubro tenha a  miniatura nos braços.

O coração bateu

02
Abr09

Ontem fui então à consulta e correu tudo bem. A minha médica fala muito e nunca mais se decidia a fazer a ecografia. Nós já estávamos a ficar em pulgas.

Mas, finalmente, lá ligou o ecógrafo e viu-se logo o coração a bater. É indescritível a sensação de alívio que tivemos. Além disso, a miniatura continua a crescer bem e já tem 48 mm - está enorme.

Mas, na minha vida, as rosas trazem sempre espinhos. Além do mioma, do descolamento, agora tenho placenta prévia. Isto é, a médica diz que ainda é cedo para fazer este diagóstico, porque a placenta ainda não está completamente formada. Só que ela está a formar-se muito perto do colo do útero, ou seja, muito perto da saída, o que faz com que seja facilmente traumatizável e aumena o risco de aborto. Ainda tenho que investigar mais sobre o assunto.

Resultado: fico de baixa, em repouso, pelo menos até às 22 semanas. Isso significa que já não volto à escola esta ano. Está a custar-me um bocadinho esta ideia e ainda mais o facto de ter de ficar sempre em casa. Não é propriamente a gravidez com que sonhei. Eu achei sempre que ia trabalhar até ao fim e que as águas me iam rebentar na escola. Mas é o que temos e, desta vez, não estou minimamente disposta a perder tudo de novo.

Muito obrigada a todas as meninas pelo apoio e pela companhia. Têm sido muito importantes.

Pág. 2/2